quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

20 anos do Circo de Feras


Lembro-me claramente do primeiro concerto a que assisti. Tinha 15 anos e foi nas piscinas de Évora, de roupa preta e lenço vermelho atado ao pulso. Com o meu irmão, a malta de Casa-Branca e outros tantos de Évora. Os Xutos tinham lançado o "Circo de Feras" e esta noite ficou gravada indelevelmente na minha memória. De regresso ao presente, senti-me num autêntico "Regresso ao Futuro" ao contemplar o mar de cabeças grisalhas na plateia do Campo Pequeno (embora muitos elementos de gerações mais novas também marcassem presença) que cantavam em uníssono criando uma ambiente excepcional, de levar às lágrimas. Não foram horas saudosistas, foram momentos de afirmação de uma geração que continua firme e hirta face ao passar do tempo e da vida malvada!









Xutos no Campo Pequeno: casa cheia para 'Circo de Feras'
Data: 09-12-2007
Apesar de percorrerem o país de lés a lés, os Xutos & Pontapés são das poucas bandas portuguesas que conseguem encher recintos cujo espaço é muitas vezes reservado a atracções internacionais. Os fãs respondem ao chamamento como se de uma litúrgia se tratasse, mostrando a fidelidade aos veteranos do rock português que completam em 2009 trinta anos de existência. Esta noite também foi de celebração, neste caso do 20º aniversário do álbum "Circo de Feras", um dos mais emblemáticos da carreira do grupo, de onde saíram clássicos como o tema título, 'Não Sou o Único, 'Contentores ou 'Vida Malvada'. Todos eles foram recordados no espectáculo deste Sábado, no Campo Pequeno - o primeiro de três naquele espaço - perante uma sala praticamente esgotada.
Tal como já havia sido anunciado, para assinalar o aniversário do disco a banda preparou uma produção cénica especial envolvendo performances de circo e não só. Um grupo de percussão e malabarismo, vestido com uma indumentária de tribo urbano-futurista, deu ínicio ao concerto, emergindo do fosso da passadeira que dava ligação ao palco principal. Pouco depois entrariam os Xutos, com capas de ilusionistas e secundados por um ecrã que cobria o cenário por detrás da banda e outros, mais pequenos, suspensos, onde se foi reproduzindo um cuidadoso jogo de imagens, na sua maioria especialmente concebidas para o efeito e para ilustrar cada canção que ia sendo interpretada. A introdução musical seria feita ao som de uma versão instrumental de 'Circo de Feras', a que se seguiria 'Sai Pr'a Rua', a primeira a ser entoada no formato original. 'Não sou o Único' inaugurou a apresentação das coreografias quase sempre tanto mais notadas quanto menos familiares fossem as músicas, já que para estas a entrega das atenções era por inteiro para a banda e para comunhão coral da assistência. Se em 'Desemprego' o desempenho artístico de um dos acrobatas num pilar cativou as atenções e os aplausos do público, que mostrava assim o seu agrado pelo conceito do espectáculo, 'Barcos Gregos' a primeira a evocar outros álbuns foi repetida a plenos pulmões. O regresso a "Circo de Feras" fez-se ao som de 'Vida Malvada' onde à presença do saxofone de Gui se notou a companhia de outra saxofonista que acompanhou a banda ao longo de todo o concerto. 'Sou Bom' deu a saída para o intervalo, anunciado nos próprios ecrãs do cenário, cujo final seria marcado com a entrada de um coro de gospel, em 'Pêndulo' e que continuaria com a banda em 'Estupidez' até um dos momentos mais belos do espectáculo, protagonizado apenas por um solo de João Cabeleira e uma acrobata balançando-se suspensa em cordas. Com 'Esta Cidade' regressaram os restantes elementos e os coros do público, que se estenderiam ao formato acústico entretanto desenhado no topo da plataforma, que levou a banda até mais perto dos fãs. 'N' América' terminou com a "vénia" e a ovação da assistência, que os Xutos retribuiram com 'Homem do Leme', na versão acústica que a converteu em hino e num cenário agora enriquecido com malabaristas manuseando archotes em chama e cículos de fogo no palco. Assim se faria a ponte para os dois ginastas do trampolim ajudarem a repor, com a sua magnífica coreografia, a energia, em projecções psicadélicas, de 'Contentores'. Já em conjunto com os artistas convidados ao longo da noite, a aguardada 'Circo de Feras' daria por encerrada a comemoração, não fosse o encore trazer mais duas, das antigas: 'Para ti Maria' e a tradicional canção de fecho, 'A Minha Casinha'.
Se o conceito de espectáculo com grande produção é parte do vocabulário de muitos grupos internacionais há muito tempo, em Portugal as bandas começam agora a olhar com maior atenção para essa expressão do seu trabalho. E, à dimensão do país, os Xutos mostraram esta noite no Campo Pequeno que estão na dianteira, tal como estiveram em 1979, na cena rock portuguesa.
Ana Tomás
Foto: Mário Guilherme
In Cotonete

1 comentário:

José Carlos Correia disse...

Grandes momentos em que évora ainda tinha espectáculos a sério com grandes bandas.
Nesse espectáculo nunca mais me esqueço do Joaão Cabeleira sempre com uma bejeca ali ao pé dele em cima da coluna.
those were the days (epá, isto soa-me a Archie Bunker, lembras-te dele?)