quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Hoje sinto-me assim...


Angústia
Tortura do pensar! Triste lamento!
Quem nos dera calar a tua voz!
Quem nos dera cá dentro, muito a sós,
Estrangular a hidra num momento!

E não se quer pensar! ... e o pensamento
Sempre a morder-nos bem, dentro de nós ...
Querer apagar no céu – ó sonho atroz! –
O brilho duma estrela, com o vento! ...

E não se apaga, não ... nada se apaga!
Vem sempre rastejando como a vaga ...
Vem sempre perguntando: “O que te resta? ...”

Ah! não ser mais que o vago, o infinito!
Ser pedaço de gelo, ser granito,
Ser rugido de tigre na floresta!

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"

5 comentários:

Rui Baptista disse...

É um poema bonito, mas espero que já te sintas melhor...

Um abraço,

Rui

Veronica Electronica disse...

Fazem parte, os altos e baixos.
Só assim damos valor aos momentos elevados.

Amanhã, há uma beijoca para animar :)

Saudades!

Poison Ivy disse...

Obrigada, amigos. Foi em grande parte graças aos dois que ganhei mais ânimo nos últimos dias. É bom ter-vos na minha vida.

Veronica Electronica disse...

Sniff, sniff...
Deixas-me com a lagrimita teimosa, ehehe

Shuacs muitos!
E olha que vamos ver os homens azuis juntas, hein?

http://www.youtube.com/watch?v=ZvRd_wGiMig&NR=1

Poison Ivy disse...

Mas isso pergunta-se, Verónica Electrónica? Sempre disponível para pândegas contigo! Vamos a isso!